[Tradução] Perguntas e respostas com elenco de Animais Fantásticos

Ontem 23/7 aconteceu em San Diego a Comic-Con e o elenco de Animais Fantásticos esteve presente no evento e fez uma live com perguntas e respostas no qual você pode assistir por aqui. Abaixo segue a entrevista traduzida:

Tradução: Bernardo Costa

Como foi estar no Hall H e revelar Animais Fantásticos?

Eddie:  Você escuta muito sobre o Hall H, sobre a Comic-Con, mas quando você entra nele, é uma experiência inimaginável. Haviam caras vestidos como Newt Scamander, o que me deixou incrivelmente feliz.  Tivemos o melhor momento possível, foi fantástico.

Ezra, qual foi sua cena favorita em Animais Fantásticos?

Ezra: Minha língua está um pouco amarrada. Não, eu não posso te contar a minha cena favorita. Minha parte favorita foi trabalhar com esse cara aqui (Colin), esse cara (Eddie), com Samantha Morton, com todos eles. Tudo é minha parte favorita.

Como foi fazer parte desse filme?

Alison: É muito animador. Como uma grande fã de Harry Potter, vir e sentir toda essa energia, de todos estarem muito animados, é magico. É algo mágico fazer parte desse mundo e ter uma continuação do universo pelo qual todos nos apaixonamos, mas que ao mesmo tempo é algo novo e inédito.  

Dan:  Eu venho à Comic-Con todos os anos, pelos últimos quinze anos e ano passado não havia muita coisa acontecendo, eu estava lá, vendendo meus quadrinhos. Então eu recebo uma ligação do meu agente e ele diz: “A próxima Comic-Com vai ser muito diferente.”. Ele estava completamente certo.

Primeira vez que você aprendeu a usar uma varinha:

Eddie: A primeira vez que eu peguei em uma varinha foi quando estava fazendo os testes para o filme eu me lembro de David falando: “Só escolha uma varinha”. E eu fiquei : “WOW, isso é complexo.”. O extraordinário é que a sua criança interior esperou por esse momento durante toda sua vida e eu peguei a coisa e fiquei estarrecido, eu não fazia a menor ideia do que fazer, ela parecia muito estranha em minha mão. No fim, eu voltei e olhei para alguns dos filmes de Harry Potter e olhei para o trabalho de Dan, Emma e Rupert e aí comecei a ter uma ideia ou outra.

Alison:  Foi bem parecida, na verdade. Porque você começa a se perguntar se está fazendo certo, se é realmente magia e se torna um vício, você começa a usa-lá dentro de casa. Isso porque você tem que pensar que nós usamos essas varinhas desde que somos crianças, então tem que parecer muito natural e acaba se tornando parte da sua linguagem.  Além disso, ainda traz muito poder, você tem uma varinha em sua mão e você se sente muito especial, mas eu uso a minha de uma maneira muito divertida, mexo no cabelo, cutuco as pessoas, é fantástico.

Katherine: Eu compartilho completamente a experiência que eles contaram, no sentido de que leva tempo, você tem que ensaiar para parecer natural, mas o que realmente me surpreendeu em relação ao trabalho com varinhas é que ele requer músculos que se mostraram muito pouco desenvolvidos no meu braço, eu acabei ficando com um “cotovelo de varinha”. Na verdade, depois da minha luta com você (Eddie), oh, acho que isso foi um pequeno spoiler, nada aconteceu aqui, Obliviate. Mas no dia seguinte eu fiquei com uma grande dor no cotovelo e não sabia de onde era, até que percebi que era por apontar minha varinha.

O que no Newt Scamander faz dele um verdadeiro lufano?

Eddie: Essa é uma ótima pergunta. Na verda, eu fiz o teste do Pottermore e não conseguia acreditar que tinha sido selecionado para Lufa-Lufa e aquele era o momento mais animador da minha vida. Mas eu acho que é o seu coração, ele é um personagem muito intrigante e tem um coração maravilhoso, uma paixão enorme por suas criaturas. Acho que essas são características de alguém da Lufa-Lufa.

Qual sua coisa favorita no mundo bruxo?

Alison: O fato de que tudo é possível e é um lindo mundo, é perto o suficiente do nosso mundo para parecer real e ainda assim é cheio de possibilidades e todos os detalhes são mágicos, é constantemente inspirador.

Katherine: Eu acho que a ideia de um universo paralelo, nos leva para uma época onde éramos crianças e conforme crescemos, somos encorajados a parar de ver esse mundo, toda a beleza, as possibilidades, a magia e ver, de uma maneira muito mais literal, que pode haver um mundo simultâneo ao nosso, que podemos não ser conscientes da existência dele. Eu amo essa ideia

Você pode nos contar um pouco sobre o seu personagem e sobre como ele se encaixa no contexto do mundo bruxo?

Colin: Eu interpreto o diretor de segurança mágica, meu nome é Percival Graves. Podemos falar sobre o MACUSA? Vagamente? Então, o MACUSA é o congresso mágico dos EUA e é o centro político-social dos bruxos norte-americanos e há uma divisão muito grande, diferentemente dos filmes do Potter, entre aqueles que são meros mortais e os que são bruxos. Eu, basicamente, garanto a segurança dessa divisão, sou como um agente federal desse mundo, eu presumo. Sou um pouco severo, muito ambicioso, mas do lado certo, do lado da proteção de todos os bruxos.

Katherine: E muito charmoso também.

Colin: E muito charmoso.

Essa é a estréia de J.K. Rowling como roteirista, como isso mudou o trabalho para vocês?

David Yates: Com os livros, é claro, nós tínhamos essa maravilhosa fonte de pesquisa e todos tinham essa sensação de posse sobre os livros, eles já existiam. Então nós íamos pelo processo de adaptação, com os roteiristas, Steve Kloves e Michael Goldenberg (no quinto filme) e quando você está traduzindo para um filme, você perde coisas que você ama e é um processo muito doloroso. O que é muito animador sobre esses filmes é que, como você disse, Jo está criando tudo, todo esse material está saindo de sua cabeça e a única maneira de você experienciar é nos cinemas, não existem livros . Então para nós, é libertador, de certo modo, porque as pessoas não tem opiniões formadas sobre os personagens, sobre como a história deve ser. Mas o que é realmente animador é que podemos trabalhar muito próximos à Jo e trabalhar muito próximo à ela e ter sua presença muito forte na produção dos filmes é algo que não havíamos experimentado e tem sido extraordinário, um grande prazer.

David Heyman: Outro aspecto, muito distinto, é o fato de que quando as pessoas iam ver os filmes, muitas deles já haviam lido os livros, então elas sabiam o que ia acontecer. Então é um grande privilégio adentrar nesse mundo sem a ideia prévia, ir ao cinema e descobrir uma história que você não conhece, esperamos que isso traga muito prazer.

Qual criatura você levaria para casa?

Ezra: Eu quero muito um pelúcio, mas ao mesmo tempo eu não quero que ele roube todas as minhas coisas.

Eddie: Uma das coisas que eu mais amo no Newt é que ele ama as criaturas mais assustadoras, menos atraentes, tanto quanto todas as outras. Pessoalmente a minha favorita é o tronquilho, eu amo ele.

Dan: Eu levaria todas as do trailer. O rapinomônio, o seminviso, eu amo o seminviso.

You Might Also Like

0 comentários

Flickr Images

Twitter

Arquivos do site