15 coisas que descobrimos sobre a criação de Animais Fantásticos e Onde Habitam

Tradutor: Brunno Maia | Fonte: thisisinsider.com

Esse post inclui spoiler de Animais Fantásticos e Onde Habitam! 

Agora que conferirmos nos cinemas tudo o que JK Rowling e sua equipe No-Maj fez por nós em Animais Fantásticos e Onde Habitam, retratando com maestria a NY dos anos 20, começamos a descobrir curiosidades que aconteceram durante todo o processo criativo do filme, confira abaixo: 

Jacob originalmente tinha uma noiva que o dispensou, e Queenie a substituiria.
Em um rascunho de Animais Fantásticos, Jacob tinha uma noiva, Mildred (interpretada por Sinead Matthews, que “o deixa quando ele volta de sua visita frustrada ao banco sem um empréstimo,” de acordo com o “The Case of Beasts”. Ela entrega seu anel de noivado e sai andando. 
Sob essa luz, a relação entre Jacob e Queenie seria totalmente diferente, pois Jacob ainda estaria um pouco triste.
O diretor David Yates decidiu cortar a cena porque o público “não precisava de uma razão pra se apaixonar por Jacob”. Ele tem razão!

Um eletricista aleatório no set deu rosto ao atendente elfo do bar Blind Pig.
Em certo ponto do filme, os personagens vão ao Blind Pig, um bar clandestino para bruxos, para conseguir informações sobre os animais mágicos que escaparam. Há um bartender que serve uma bebida a Jacob.
Porque o bartender é um elfo, seu rosto precisava ser animado. Para fazer o rosto, o supervisor de animação simplesmente escolheu um eletricista aleatório que viu no set.
“Que ótimo rosto”, o supervisor de animação Pablo Grillo disse quando viu o eletricista, de acordo com o “Inside the Magic”. ”Paul parece ótimo, não parece?”  ele perguntou ao diretor David Yates. Yates mandou pergunta-lo se ele poderia escanear o rosto do eletricista.
“Então eles acabaram escaneando ele e ‘Paul faísca’ virou o elfo bartender”, Ian Nathan escreveu em “Inside the Magic”.
O supervisor de efeitos visuais Christian Manz brincou que “ele vai jantar fora para comemorar isso por alguns anos.” Infelizmente, nós só vemos metade do rosto de Paul. Elfos são muito baixos.

O interior original da maleta de Newt Scamander era ambicioso demais.
Um dos primeiros conceitos para o interior da maleta de Newt Scamander a representava como um “ambiente parecido com o Eden”, misterioso e expansível, de acordo com “Inside the Magic”.
“Com toques do armário de Narnia, os degraus levariam Newt para uma perfeita floresta, e depois de certa distância você poderia ver o mar e ondas, e o horizonte infinito. Era um mundo inteiro.”
J.K. Rowling pontuou, porém, que “Seria preciso um bruxo mais poderoso que Voldemort para criar tal lugar.” Então os designers de animação a diminuíram, criando menos habitats, fazendo a magia do Newt parecer mais simples.
“O que nós acabamos inventando foi essa magia levemente disfuncional,” o artista concitual Dermot Power disse. “Newt ama tanto animais que ele entra nessa encrenca de construir esses mundos, mas ele não vê isso como carreira. Ele só está satisfeito porque os animais estão felizes.”

Os designers do filme fizeram várias páginas reais para o jornal No-Maj.
Uma das sub-tramas do filme envolve a família Shawn. Henry Shawn Junior, um senador de Nova Iorque, é filho de Henry Shawn Senior, que comanda o The New York Clarion, que parece ser um equivalente ao The New York Times.
Os Segundos Salemianos tentam sem sucesso publicar no jornal uma história sobre como bruxos e bruxas são reais. A cena onde eles visitam o escritório do jornal — e as cenas onde os jornais são exibidos — envolvem detalhes incríveis.
A empresa de Design MinaLima fez “várias páginas usando como inspiração o The New York Times, imprimindo 30 mil cópias frente e verso, com cada edição exibindo destaques relacionados a eventos desse dia em particular”, de acordo com “The Case of Beasts”.
Apesar de MinaLima ter feito matérias falsas para os jornais mágicos, eles não escreveram os corpo das matérias. Para o jornal trouxa, eles escreveram. Cada jornal contém informações de tudo desde a economia americana a atividades de políticos inventados.
Além do mais, os detalhes investidos ao escritório do jornal eram extraordinários. A Warner Bros. importou mais de 80 mesas dos Estados Unidos para o set no Reino Unido. Cada um dos jornalistas que trabalhavam em suas máquinas de escrever no fundo tinha um título, e suas mesas estavam cheias de material para histórias.
“Se você analisasse as mesas veria um correspondente de viagens, um de ciência, um de cultura, um para as noticias locais de Nova Iorque, críticos,” a designer Miraphora Mina disse, de acordo com o “The Case of Beasts”.

Colin Farrell nunca tinha lido nada dos trabalhos de J.K. Rowling até ler o roteiro de Animais Fantásticos
Não, nem mesmo um dos livros de Harry Potter. Mas Farrell, que interpreta o auror Percival Graves, disse ter se impressionado com o mundo mágico que Rowling construiu só naquele script, e quis fazer parte.
Farrell contou a SFX Magazine mais cedo nesse ano que era um grande fã dos filmes de Harry Potter.
“Há poucos filmes que quando estão passando na televisão, eu simplesmente não consigo desligar, eles são tão reconfortantes; e qualquer um da serie Harry Potter se qualifica como um desses filmes”, ele disse.

Não, os doces em forma de animais mágicos não eram reais.
Na última cena de Animais Fantásticos, entramos na padaria de Jacob. Apesar de suas memórias aparentemente terem sido apagadas, sua loja está cheia de doces que parecem com Seminvisos, Pelúcios, Occamis, e Erumpentes.
Eu não sei, não sei — Elas simplesmente vem!” Jacob responde quando uma cliente pergunta de onde ele tira suas ideias.
Infelizmente, os doces eram sintéticos, apesar de parecerem deliciosos. Talvez vejamos alguns reais no Winzarding World of Harry Potter em Orlando?

Dougal o Seminviso foi interpretado por um marionetista.
Os animais do filme foram criados com uma mistura de efeitos gerados em computador, captura de movimentos, e adereços para criar movimentos realistas.
Um pouco disso também foi só com uso de marionetes, à moda antiga. O Seminviso de Newt foi criado, em parte, por um homem vestido em uma roupa peluda. A animação mais tarde o refinou em uma criatura mais realista, com aparência de primata.

A forma que Dougal se torna invisível foi inspirada pelo trabalho de Liu Bolin.
Em vez de fazer os Seminvisos simplesmente ficarem invisíveis, os produtores optaram por um efeito mais “camaleão”, de acordo com o “Inside the Magic”. Eles se inspiraram na série de fotos “O Homem Invisível” de Liu Bolin, onde ele se mistura ao fundo da foto de forma quase imperceptível.

Eles acharam o Pé Grande!
Os designer de animação do filme criaram um conceito de arte para um Sasquatch que estaria passando a noite em uma cela na MACUSA, sem disposição para conversas enquanto Tina e Newt esperavam seu interrogatório com Graves. Não foi usado no filme finalizado, mas teria sido divertido. Ele é o clássico animal fantástico que ninguém vai achar.

Os arpéus costumavam ter chifres muito, muito grandes.
“The Art of the Film” inclui um monte de rascunhos diferentes para cada animal mágico que eventualmente apareceu em “Animais Fantásticos” (e vários que não apareceram). Os Arpeus eram originalmente imaginados como grandes criaturas das planícies, como tigres. Isso é basicamente como eles acabaram sendo.
Mas os rascunhos finais incluem algumas fileiras de chifres em suas cabeças. Originalmente, eles eram apenas dois chifres, mas eles eram grandes. Os animadores os diminuíram porque queriam que o Arpéu se distinguisse mais do Erumpente.

Falando do Erumpente, uma das primeiras versões parecia uma foca gigante com um chifre.
O Erumpente, que Jacob e Newt têm que capturar no Central Park, foi um dos animais mais difíceis de criar. Alguns dos primeiros conceitos de arte parecem com tudo de m javali até um triceratops.
A versão mais estranha, porém, era um tipo de foca gigante. Era quadrúpede, mas tinha um pescoço grande e grosso eu fazia parecer que ele estava n vertical. E tinha uma grande presa com aparência de marfim saindo do meio de seu rosto, como um unicórnio.
“Eles não passaram na audição”, Dermot Power escreveu em “The Art of the Film”. “Acontece”.

Existiram algumas ideias diferentes sobre como as pessoas entrariam na maleta de Newt.
A forma como a maleta de Newt funciona no filme é: ela se abre e você entra, descendo por uma escada em um ambiente magicamente criado onde Newt mantém seus animais e todas as suas ferramentas.
Existiram alguns designes alternativos para o mecanismo de entrada na maleta, e eram fascinantes.
“The Art of the Film” inclui seis conceitos diferentes que quase foram usados. Um tinha a malta aberta como uma pasta de acordeão, esticada para que pessoas subissem. Outra deu á maleta dentes como de uma armadilha para ursos, para evitar que os animais escapassem.
E havia uns conceitos meio steampunk. Um consistia em um elevador que sabia da maleta para levar e trazer pessoas.
Eventualmente eles se decidiram por algo simples que funcionava com a trama. Uma escadaria simples que facilitava a entrada, e também a saída sorrateira de animais.

Para faze-la funcionar, eles usaram truques no cenário à moda antiga.
A maleta de Newt tinha um fundo falso. Assim, quando ele entrava, o fundo levava a um fundo criado no chão. Eddie Redmayne, que interpretou Newt, apenas descia uma escada escondida debaixo do chão.
Dessa forma os cinegrafistas capturavam o momento mágico em apenas uma tomada, sem qualquer elemento digital. 

Os guarda-chuvas de varinha foram ideia de Eddie Redmayne.
Muitos dos elementos criativos do filme estavam a cargo do elenco principal. Eles tiveram pequenas mas importantes ideias, como Eddie Redmayne ter escolhido a varinha de seu personagem. E também tiveram algumas ideias mais importantes.
Redmayne, por exemplo, sugeriu um feitiço que transformasse as varinhas dos bruxos em guarda-chuvas. É uma ideia visualmente elegante, e é peça chave de uma das mais belas cenas do filme, quando Queenie protege Jacob da chuva que apagaria sua memória.

O trono da presidente da MACUSA foi uma referência ao de Dumbledore.
Quando desenhavam o trono de Seraphina Picquery, presidente da MACUSA, o supervisor Pierre Bohanna queria fazer referência ao primeiro filme de Harry Potter, quando Harry vê Dumbledore pela primeira vez no Grande Salão de Hogwarts. Lá, Dumbledore está sentado em um grande trono de ouro.
“Havia coisas desenhadas para conectar o filme à serie Harry Potter”, Bohanna disse em “Inside the Magic”. “O trono de Seraphina Picquery era uma referência ao trono original de Dumbledore em Hogwarts. É uma peça com inspiração gótica, mas de aparência muito mais Real e finalizada inteiramente em ouro.

Publicação original, em inglês, aqui

You Might Also Like

0 comentários

Flickr Images

Twitter